MENU

O que é a Síndrome do Impostor

O medo da máscara cair diante das oportunidades profissionais é comum para quem sofre da Síndrome do Impostor

às 20h47
Reprodução: Adobe Stock
Reprodução: Adobe Stock
Compartilhe:

Ser testado, ter que demonstrar habilidades e estar sujeito a avaliações, normalmente envolve insegurança, mas quando detectar se você sofre da síndrome do impostor? A sensação de incapacidade permeia todo o desenvolvimento pessoal e no geral alimenta o medo da avaliação. Na vida pessoal e principalmente profissional, estamos sujeitos a críticas e elogios, por isso a necessidade de acertar, ser útil e superar as metas são compromissos impostos por nós mesmos no desempenho de qualquer atividade.

Quem não já deixou de ter qualquer experiência por medo de não superar as expectativas dos outros? Ou, topou fazer algo e depois de feito, talvez até foi elogiado, e ainda assim ficou remoendo a sensação de não ter sido bom o suficiente? Isso é portar a síndrome do impostor. O medo excessivo de uma hora a máscara cair e alguém descobrir que suas habilidades são uma farsa, ainda que você seja um profissional de sucesso, pós-graduado e com boa avaliação.

Quem sofre da Síndrome do Impostor relata que inicialmente sente-se atacado pela ansiedade, sofre com a instabilidade emocional e para ela, tudo o que já aprendeu não pode ser posto à prova. 

No geral, pessoas em condições de vulnerabilidade social e econômica, mulheres, pessoas negras e fora dos padrões físicos são os mais afetados, essas condições provocam dúvidas sobre si e a cada tomada de decisão reaparecem puxando para trás.

Como saber se é Síndrome do Impostor ou Insegurança

A insegurança geralmente é provocada quando diante de uma avaliação você tem desempenho de mediano a baixo nível e algo tangível te assegura da sua necessidade de evolução, seja no campo profissional ou pessoal, quando, por exemplo, em uma entrevista de emprego não é bem sucedida, o indivíduo fica sujeito a ser inseguro na segunda. Já na Síndrome do Impostor a crença é de que o indivíduo está enganando alguém sobre a sua capacidade para exercer uma atividade, na relação sexual, numa competição esportiva e outros diversos momentos que é possível medir desempenho.

De onde vem

As antigas crianças prodígio cresceram sofrendo a pressão de serem pessoas desenvoltas e bem-sucedidas e por isso cria-se uma cultura de cobrança excessiva, o processo de amadurecimento exige que os novos adultos se desprendam das amarras que os pais protetores criam. 

Um basta no alerta de fraude

A Psicologia deve ser uma aliada de quem sofre com a Síndrome, através da psicoterapia a chavinha da autossabotagem pode ser desligada, neste caso, um profissional habilitado pode ajudar os portadores da síndrome a internalizar suas habilidades e possivelmente dar um fim a sensação de ser uma fraude.

Compartilhe: