MENU

Doenças reumáticas e frio: qual a relação?

Mudança de temperatura pode influenciar os reumatismos

às 13h52
Sad kid lying under cover and keeping bottle of pills in hands during sickness
Sad kid lying under cover and keeping bottle of pills in hands during sickness
Compartilhe:

Mudança de temperatura pode influenciar os reumatismos

Reumatismo é um termo que engloba mais de 200 doenças que afetam articulações, músculos, ligamentos, tendões e o esqueleto. São exemplos famosos a artrite reumatóide e artrose – elas causam dor, deformação e dificuldade de movimentação, acometendo também órgãos internos, como rins e coração. Mas uma dúvida fica presente na vida dos portadores: o frio piora ou tem alguma influência na condição?

O frio e reumatismo

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, a associação entre o frio e as doenças reumáticas é muito presente, já que vários pacientes se queixam bastante neste período. 

A realidade é que o frio pode aumentar os sintomas, mas o reumatismo não piora e nem surge por conta disso. E por que os portadores da doença sofrem mais nesse período? A resposta está nos movimentos do corpo em resposta à baixa temperatura – as pessoas se encolhem, e com isso, os vasos ficam mais estreitos e os tecidos, tendões e músculos contraídos, aumentando a dor e dificultando a movimentação de forma severa.

As regiões mais afetadas são os pés e mãos, que comumente já apresentam temperatura corporal menor. Além disso, quem tem insuficiência circulatória pode apresentar ainda mais sintomas, já que a irrigação sanguínea fica diminuída, provocando dor e contratura, favorecendo o aparecimento de lesões com edema e rachaduras.

Tratamento

No frio, os pacientes podem diminuir a dor a partir da proteção: se agasalhar, ficar longe de ventos, tomar banhos mornos  e usar bolsas térmicas geram calor – que descontrai os músculos, proporcionando maior circulação sanguínea – e alivia a realidade da temperatura. 

Mudança no estilo de vida também é uma dica importante: fazer atividades físicas com acompanhamento e de baixo impacto, assim como exercícios localizados, garantem maior flexibilidade, movimentação e aquecimento. E visitar um médico a qualquer sinal de anormalidade e piora da condição é essencial. 

Compartilhe: