MENU

Arquitetura de reformas: adaptar eficiência, sustentabilidade e bem-estar

Requalificar e modernizar construções já existentes é tendência internacional e abre novo campo de trabalho para arquitetos e urbanistas

às 15h38
A contratação de arquitetos para reformas é um item dos mais importantes, pois alterações em uma construção não são simples (Milivoj Kuhar/Unsplash)
A contratação de arquitetos para reformas é um item dos mais importantes, pois alterações em uma construção não são simples (Milivoj Kuhar/Unsplash)
Compartilhe:

Projetos de reformas fazem parte da vida profissional do arquiteto, pois nem todo trabalho começa na planta baixa da obra. Pode começar do alto, do telhado, da retirada de uma estrutura, da modificação de uma parede, para renovar um ambiente que se deseja melhorar ou ampliar uma edificação. Seja qual for o objetivo, fazer uma reforma significa realizar mudanças. 

Essa modalidade de trabalho representa um grande mercado potencial no Brasil e no mundo, pois existe uma grande demanda em adaptar obras antigas às necessidades atuais de eficiência, sustentabilidade e bem-estar. A modernização e requalificação de construções já existentes é uma verdadeira tendência internacional. 

A contratação de um arquiteto para uma reforma residencial é um item dos mais importantes, pois alterações em uma construção não são simples. O cuidado e a atenção devem ser máximos, principalmente quando envolve partes estruturais destas construções. Além disso, um bom planejamento da obra, com seus custos e prazos é essencial para o seu bom desenvolvimento.

Depois de iniciados os trabalhos, é obrigatória a fiscalização por um profissional habilitado (arquiteto ou engenheiro) para a realização desses projetos de reforma. O rigor é explicado pelos imprevistos que podem surgir, complicando a obra, ou sendo resolvidos mais facilmente, quando um profissional capacitado está por perto. 

Foco profissional

Ciente da tendência mundial, o arquiteto e urbanista Eduardo Souza, em artigo publicado no site ArchDaily, indica uma mudança no foco da profissão. Para ele, é preciso valorizar o desenvolvimento de melhores formas de intervenção em edificações existentes, ao invés de se pensar majoritariamente nas edificações construídas do zero.

“Isso inclui desde tornar o processo de levantamentos e documentação das obras mais completo e didático até disseminar materiais e técnicas construtivas que possam aumentar a eficiência energética das reformas”, defende ele no artigo, citando também  um relatório da Comissão Europeia que mostra a baixa eficiência energética de 75% dos edifícios da União Europeia. 

Por isso, a “reforma de edifícios públicos e privados é uma ação essencial e foi apontada no Acordo Verde Europeu como uma iniciativa-chave para impulsionar a eficiência energética no setor e cumprir os objetivos”, destaca o artigo, apontando mais um sinal de mudança de foco da Arquitetura e Urbanismo.

Um importante prêmio internacional da categoria, o Pritzker, condecorou em 2021 a francesa Lacaton & Vassal. “Sob o mantra ‘nunca demolir, nunca remover ou substituir, sempre adicionar, transformar e reutilizar’, a dupla construiu uma carreira focada em reformar edificações, dotando-as de qualidade espacial, eficiência e novos programas”, relata Souza. 

Norma de reformas

A Norma de Reformas da ABNT (NBR 16.280:2015) estabelece as etapas e lista os requisitos para antes, durante e depois de uma reforma em um prédio ou em uma unidade. Toda obra de imóvel que altere ou comprometa a segurança da edificação ou de seu entorno precisa ser submetida à análise da construtora/incorporadora e do projetista.

Esta análise precisa ocorrer dentro do prazo decadencial, ou seja, a partir do qual vence a garantia do imóvel. Após este prazo, há exigência de laudo técnico assinado por engenheiro ou arquiteto e urbanista e autorização expressa do proprietário.

Asscom | Grupo Tiradentes

Compartilhe: