MENU

Repúblicas jovens: conheça os 3 países mais jovens do mundo


às 19h30
Imagem: reprodução da internet
Imagem: reprodução da internet
Compartilhe:

A geopolítica é um fator organizador e reorganizador das repúblicas no mundo, conforme o nome já antecipa, as mudanças se dão em termos políticos e também territorial. As medidas políticas de cada estado podem causar efeitos como separação territorial ou emancipação de estados colonizados, assim, originando novos países.

Apesar da concepção de novos países parecer uma coisa antiga, a Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu nos últimos 20 anos alguns novos países, outros, apesar de integrarem o grupo dos Estados não Reconhecidos por não terem território delimitado, população permanente, governo representativo e capacidade de estabelecer relações diplomáticas, seguem sendo países e buscando o reconhecimento, o que garante os direitos de um Estado-Nação. Conheça as três repúblicas mais jovens do mundo logo abaixo:

Barbados

Em 30 de novembro de 2021 o país Barbados declarou sua independência da monarquia britânica, destituiu a Rainha Elisabeth II do posto de chefe de estado e empossou sua primeira presidenta. O novo país está localizado em uma ilha do caribe ocidental. Atualmente Barbados possui um dos maiores Índices de Desenvolvimento Humano da América Latina.

Sudão do Sul

Nascido em 11 de julho de 2011, o Sudão do Sul foi um país africano originado pela separação territorial do Sudão. Os conflitos causados por divergências étnicas e culturais geraram a divisão em duas partes: o Sudão do Norte fala árabe e é muçulmana, já o Sudão do Sul que possui mais diversidade étnica e religiosa. O novo país enfrenta sérios problemas relacionados ao nível de analfabetismo que chega a 70% da população e a falta de água potável e saneamento básico que afeta quase 45% das famílias.

Kosovo

Localizado na europa, precisamente na península dos Bálcãs – região banhada pelo mar Adriático, na região da antiga Jugoslávia. Kosovo tornou-se um país independente da Sérvia em 17 de fevereiro de 2008. O país tem um longo histórico de guerra armada e massacre de civis, crises que refletem o desenvolvimento social, político e econômico.

Os processos constantes da geopolítica e globalização movimentam-se a todo tempo, e as nações buscam o reconhecimento diplomático, mas a adesão nem sempre é rápida ou unânime. por isso, países como Taiwan que tem 110 anos de fundação e conta com o reconhecimento de, somente, 21 países integrantes da ONU e a República Turca do Chipre do Norte, que até os dias de hoje encontra-se dividida entre gregos e turcos.

Compartilhe: