MENU

Quais os sinais do TDAH?

Transtorno apresenta sintomas e precisa ser tratado corretamente

às 10h50
Compartilhe:

O Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é uma condição neurológica que aparece na infância e acompanha o portador durante toda sua vida. Seu tratamento é necessário, garantindo bem-estar e saúde. Antes, é preciso prestar atenção aos sinais, para que o diagnóstico seja feito corretamente. 

O TDAH apresenta diversas combinações de sintomas. Em crianças, se vê a inquietação, distração, dificuldade de seguir ordens, desatenção, muita fala e pouca escuta e desempenho escolar comprometido. Já o adulto com o transtorno é desatento, sem foco, deixa os trabalhos incompletos, esquece facilmente das coisas, é agitado e tem alterações de humor. 

Ao sinal de qualquer desses sintomas, é preciso consultar um especialista, como um psicólogo ou psiquiatra, para que o tratamento seja iniciado e não se tenha confusão. “Nesse sentido, os sintomas podem ser erroneamente interpretados como maus comportamentos e esse erro pode impactar negativamente as relações escolares, familiares e sociais das crianças, adolescentes e adultos. E, consequentemente, teremos um prejuízo na sua qualidade de vida”, explicou Ana Noriko, psicóloga e professora da Unit-PE. 

Quando o diagnóstico é confirmado, o tratamento é iniciado. Pode ser através de terapias comportamentais e medicamentos psicoestimulantes e antipsicóticos. “Alguns casos irão precisar de abordagens mais diretivas, como as comportamentais, cognitivas, cognitivas-comportamentais, ABA, entre outras. No entanto, isso não é regra, pois alguns clientes não se adaptam ao modo de funcionamento dessas abordagens e buscam tratamentos mais humanistas e fenomenológicos”, enfatizou a psicóloga.

Por isso, é preciso buscar tratamento e o seguir corretamente, além de ter um ambiente familiar com acolhimento, apoio e segurança. “Independentemente da abordagem psicoterapêutica usada, as terapias ajudarão a criar estratégias para o controle dos sintomas, especialmente os impulsos, além de também auxiliar a pessoa a encontrar meios para conhecer mais a respeito do seu modo de funcionamento e os meios mais saudáveis de lidar com os sentimentos e emoções na relação com esses sintomas”, afirmou Ana Noriko. 

Compartilhe: