MENU

Programa de Pós-Graduação em Educação da Unit participa do Portal do Bicentenário

Rede nacional de instituições e movimentos da educação produzem um portal dedicado a conteúdos sobre História do Brasil, em comemoração aos 200 anos da Independência

às 18h32
Com a proposta de trazer reflexão sobre a História do Brasil, o Portal do Bicentenário entrará no ar a partir de setembro (Reprodução/UFMG)
Com a proposta de trazer reflexão sobre a História do Brasil, o Portal do Bicentenário entrará no ar a partir de setembro (Reprodução/UFMG)
Grupos de professores que participam da elaboração do Portal se reuniram nesta semana
Compartilhe:

O ano de 2022 será marcado pelos 200 anos da Independência do Brasil e, desde já, educadores brasileiros já se mobilizam para comemorar a data da melhor maneira: refletindo a história dos nossos dois primeiros séculos. Uma rede formada por diversas instituições e entidades, incluindo universidades, faculdades, institutos, centros de pesquisa e movimentos sociais, se uniram para produzir o “Portal do Bicentenário”, uma plataforma de conteúdo que busca reunir informações, pesquisas e conhecimento sobre a História do Brasil e seus aspectos que ainda são desconhecidos da população. 

O projeto é capitaneado nacionalmente pela Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Anped). Entre as instituições participantes, está a Universidade Tiradentes (Unit Sergipe), através do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPED). Segundo a professora Ilka Miglio de Mesquita, do PPED, o Portal “visa produzir, editar, fazer curadoria, organizar e disponibilizar conteúdos que versam sobre os 200 anos da Independência do Brasil e seus desdobramentos, focalizados a partir de diferentes campos do saber, contemplando arte, cultura e trabalho no País”.

Uma das preocupações, segundo Ilka, é fazer uma reflexão sobre fatos da História do Brasil e trazer “versões não-oficiais”, isto é, perspectivas que não costumavam ser abordadas nos livros escolares. “O Portal do Bicentenário tem a intenção de problematizar as diversas narrativas que se produziram ao longo do tempo. Nesse sentido, busca-se repensar o próprio evento levantando questões. Exemplo: Houve independência? Ficou inacabada? Como ocorreu? Em todo o território nacional e para todos os grupos sociais, a independência se deu da mesma maneira e com o mesmo significado? Quais são seus limites e transformações?”, exemplifica.

O trabalho vai propor quatro trilhas de discussão que podem ser seguidas pelos professores da educação básica, o que ainda inclui discussões sobre outras lutas por liberdade e reflexões sobre as efemérides e comemorações ao longo dos 200 anos de Brasil. “Em uma primeira etapa, o grupo volta-se para a criação de materiais didáticos problematizando o bicentenário e as independências nas práticas de ensino e, na segunda etapa, temas gerais da história escolar relacionados às linhas de pesquisa do projeto com ênfase na resistência dos grupos subalternizados”, explica a professora, que coordena no PPED o Grupo de Pesquisa História, Memória, Educação e Identidade (GPHMEI). 

Ilka Mesquita e sua equipe atuam diretamente no Grupo de Trabalho 04, voltado à área de Lançamento e Comunicação, além de participar da Coordenação e Secretaria Executiva do portal. Integrado a esse projeto, está em andamento a pesquisa “Criação e autoria: materiais didáticos de História”, que também forma uma rede com instituições públicas de educação básica, ensino superior e um museu. 

“Ela se organiza de forma que possamos, juntos/as, fazer experimentações para orientar a aprendizagem de estudantes do ensino fundamental e médio, além dos futuros professores/as nos Cursos de Licenciatura em História e Pedagogia. O Portal do Bicentenário propugna a inter e a transdisciplinaridade de seus conteúdos e ações, assim como a relação respeitosa e complementar entre os saberes produzidos no âmbito das universidades e centros de pesquisa e aqueles produzidos na escola básica, pelos povos tradicionais e pelos movimentos sociais e coletivos democráticos”, define Ilka. 

O “Portal do Bicentenário” será voltado para professores e estudantes dos ensinos básico e superior, mas também aberto a qualquer interessado no tema. A previsão é de que ele entre no ar até setembro deste ano. A participação de voluntários nos grupos de trabalho do projeto, em especial na produção de conteúdos, permanece aberta a novos colaboradores, que podem pedir mais informações pelo e-mail portaldobicentenario@gmail.com.

Asscom | Grupo Tiradentes
com informações da UFMG

Compartilhe: