MENU

Doença de Parkinson: sintomas e tratamento

Sua principal causa é a degeneração ou morte das células cerebrais

às 13h58
Elderly woman suffering with parkinson's disease symptoms
Elderly woman suffering with parkinson's disease symptoms
Compartilhe:

A doença de Parkinson atinge cerca de 200 mil brasileiros e, pelo menos, 1% da população mundial acima dos 65 anos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Caracterizado, principalmente, por tremores nas mãos, rigidez muscular e nas articulações, lentidão nos movimentos e perda de equilíbrio, o Parkinson se trata de uma condição neurodegenerativa, ou seja, as células cerebrais passam a se degenerar ou morrer, nesse caso, as responsáveis pela produção de dopamina – um neurotransmissor encarregado, entre outras funções, de controlar os movimentos.

Anahy Farias, fisioterapeuta e professora da Unit-PE, conta que nem sempre os pacientes com Parkinson apresentam tremores como sintomas iniciais, mas chegam ao consultório com queixas de quedas, problemas posturais e de desequilíbrio, dificuldade para segurar objetos e incapacidade de ter uma marcha perfeita. A partir disso, é importante que exista um diagnóstico para que o tratamento seja iniciado rapidamente. “Além do fisioterapeuta, uma equipe multidisciplinar atua no tratamento, como terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, nutricionistas, neurologistas e, não é muito raro que o paciente também precise de algum acompanhamento psicológico”, pontua. Os outros profissionais entram em ação por conta de sinais como problemas na fala, deglutição e alimentação, além das alterações cognitivas e de humor.

A fisioterapia, nos pacientes parkinsonianos, auxilia tanto para melhorar a qualidade de vida quanto para prevenir problemas cardiovasculares, causados pela inatividade. Por se tratar de uma doença progressiva, o tratamento para o Parkinson é feito visando a manutenção da funcionalidade dos pacientes. “Mesmo bem medicado ou bem assistido, a doença pode evoluir, então, é preciso manter o paciente trabalhando, com mais independência nas atividades diárias”, afirma Anahy. As atividades feitas, geralmente, são de equilíbrio e coordenação, reproduzindo movimentos utilizados no trabalho ou no dia a dia, além das chamadas de dupla tarefa – nesse caso, são associadas atividades cognitivas com atividades de precisão. 

Compartilhe: