MENU

Como economizar no mercado e reduzir impacto no orçamento

Confira dicas dadas por Edgard Leonardo, economista e professor da Unit-PE

às 14h31
Compartilhe:

Ir ao mercado virou sinônimo de complicação e estratégias para muita gente. Isso porque os preços de alimentos e bebidas aumentaram, fazendo com que a feira fique mais cara. Mas existem ações que podem ser feitas para economizar e reduzir o impacto no orçamento.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o preço dos alimentos subiu 9,83% nos primeiros sete meses de 2022. O percentual é mais do que o dobro da inflação do período medida pelo Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), que é de 4,77%. Esse aumento tem vários motivos, como a alta da inflação, a guerra na Ucrânia e a pandemia.

Mas existem ações que podem levar a uma maior economia na hora da compra no supermercado. Segundo um levantamento realizado pela Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, a PROTESTE, pesquisar preços antes da compra podem render uma economia anual de até R$ 3 mil ao consumidor e R$ 250 por mês.

“Essa é uma pesquisa interessante sobre finanças pessoais, porque demonstra a importância da gente dar atenção aos pequenos detalhes. Até porque é preciso se preocupar, anotar e registrar todas as pequenas despesas, seja um lanche, café, o que for”, salientou Edgard Leonardo, economista e professor da Unit-PE. 

De fato, economizar faz com que diferenças sejam notadas pelo próprio consumidor, especialmente na hora de fazer feira. É o que reforça o economista: “Economizando alguns centavos e equacionando aquele dia que você já está passando no supermercado para você realizar as compras, aproveitando para não gastar deslocamento, combustível, ou pagar estacionamento, pagando um táxi. É preciso cuidado nessas pequenas despesas”, pontuou Edgard. 

Ele também conta ações que devem ser feitas: “registrar as despesas, pesquisar os preços, ter uma lista de compras e conhecer bem as receitas e os gastos faz com que se tenha ganhos nas despesas, podendo proporcionar coisas boas, como viagens e aplicações”, concluiu o professor.

Compartilhe: