MENU

Começa, hoje (15), o Festival de Inverno de Garanhuns

Um dos maiores festivais de cultura do Brasil acontece até 31 de julho

às 17h54
Compartilhe:

Nesta sexta (15) começa o Festival de Inverno de Garanhuns (FIG): em sua 30ª edição, o tradicional evento cultural promove oficinas, apresentações de dança, música, design, literatura, moda, artes visuais, fotografia, formação e artesanato, com 800 atrações em 25 polos. Toda a programação é gratuita e acontece até o dia 31 de julho. Com 15 dias de programação, sete a mais do que nas edições anteriores, o FIG deste ano traz ações descentralizadas nos distritos de Iratama, Miracica e São Pedro, em Garanhuns. Também acontecerão atividades no Polo Castainho, no Quilombo Castainho, na Zona Rural do município. O Palco Mestre Dominguinhos será local das principais apresentações musicais do festival, que também ocupará praças, igrejas, parques, pavilhões e outros espaços espalhados pela cidade.

Outra novidade deste ano é a criação do Palco Estação, no Teatro Luiz Souto Dourado, que vai sediar apresentações musicais intimistas e voltadas para um público máximo de 600 pessoas. As apresentações musicais, muito aguardadas pelo público, serão diversas, homenageando a cultura pernambucana – principalmente pela comemoração dos 30 anos do movimento Manguebeat. Participarão do evento os artistas Diogo Nogueira, Xamã, Anavitória, Nando Reis, Martins, Lenine, Spokfrevo Orquestra, Jota Quest, Titãs, Pitty, Duda Beat, Chico César e Geraldo Azevedo, Gal Costa, Banda Sentimentos, Jorge Vercilo, Conde Só Brega, Raphaela Santos, Santana, Dead Fish, Sepultura, Cátia de França, Hamilton de Holanda, Amaro Freitas, Luedji Luna, Adriana Calcanhoto, Bala Desejo, Geraldo Maia, Lucas dos Prazeres, Solange Almeida, Tribo de Jah, Majur e Baco Exu do Blues.

A programação completa, com dias e horários, pode ser visualizada no site oficial do FIG (http://www.cultura.pe.gov.br/fig2022).

Cultura – A 230 km de Recife, Garanhuns é muito visitada nas edições do Festival de Inverno, não só pelos pernambucanos, mas também por todo o Brasil. Com intensa cultura e tradicionalismo, o FIG é símbolo de força da regionalidade.

Compartilhe: