MENU

As profissões em alta em 2023, segundo o LinkedIn

Confira as áreas que estarão em ascensão no ano que vem

às 10h54
Compartilhe:

A rede social corporativa LinkedIn revelou as profissões que estarão em alta em 2023, isto é, terão alto índice de empregabilidade e os formados aumentarão a chance de ter uma carreira promissora. Ficar ligado no mercado de trabalho é importante para buscar oportunidades e ainda conseguir se sair bem na área.

Segundo o LinkedIn, 25 profissões estarão em alta no ano que vem: Recrutador(a) especializado(a) em tecnologia, Engenheiro(a) de confiabilidade de sites (Site Reliability Engineer – SRE), Engenheiro(a) de dados, Especialista em cibersegurança, Representante de desenvolvimento de negócios, Gestor(a) de tráfego, Engenheiro(a) de machine learning, Pesquisador(a) em experiência do usuário, Cientista de dados, Analista de desenvolvimento de sistemas e Engenheiro(a) de robótica.

Também estão na lista Desenvolvedor(a) Back-end, Gerente de engajamento, Gerente de equipe de produto, Engenheiro de QA (Quality Assurance), Consultor(a) de gestão de dados, Líder de experiência do cliente, Analista de design, Analista de soluções, Analista de gestão de risco, Consultor(a) de design de produto, Coordenador(a) de vendas internas, Enfermeiro(a) intensivista, Designer de conteúdo e Instrutor(a) de Agile.

De acordo com o economista e professor da Unit-PE Edgard Leonardo, ainda que as atividades estejam mudando e se adaptando para uma nova era, o estudante ainda é muito tradicional. “Ele vem de uma família que tem uma série de experiências de vida e acaba procurando linhas muito tradicionais. Isso vem das escolas também, que seguem regras e situações específicas de grades curriculares”, explicou. 

Por isso, é preciso ficar atento às mudanças no mercado de trabalho e no mundo, já que tudo está sempre se atualizando. “O estudante precisa entender que o mundo está mudando. A realidade é que a gente vive a revolução 4.0 e a pandemia jogou a gente cinco anos para a frente, com novas tecnologias. Um exemplo disso é o aumento de matrículas para cursos de ensino à distância (EaD)”, enfatizou o economista.

Compartilhe: