MENU

Aluno de engenharia cursa, de casa, disciplina em universidade do México

Geovani Santana tenta conciliar a faculdade, as aulas de fora, o idioma, o dia a dia e o estágio na área hospitalar

às 18h50
Compartilhe:

O distanciamento social fez com que a dinâmica do mundo mudasse de maneira súbita. Na Educação não foi diferente: a troca das aulas presenciais para as do formato on-line foi necessária, forçando alunos e professores a se adaptarem rapidamente. Contudo, o formato virtual também permitiu que os alunos explorassem possibilidades enriquecedoras, como, por exemplo, ter aulas fora do país, sem precisar viajar. Caso do aluno de engenharia, Geovani Santana, aluno do 9° período do curso de Engenharia Civil da Unit-PE.

Com o incentivo do Programa de Instituições de Ensino Superior (IES) – oferecido pelo Grupo Tiradentes – e estímulo do coordenador e professor do curso de Engenharia, Leonardo Bueno, Geovani decidiu se inscrever na Universidade de Monterrey (Udem), no México, que está entre as principais Universidades na América do Sul. Acreditou e se inscreveu. Deu certo. Geovani conseguiu uma vaga na disciplina Manufactura Esbelta, com duração de cerca de seis meses.

Um dos desafios encontrados por ele foi a questão do idioma, já que não possuía fluência em espanhol. Contudo, a capacitação para obter participações em sala, além da interação com os colegas e com o professor, ajudaram-no a superar essa questão. “Está sendo muito bom, é bastante proveitoso. Creio que, com esta experiência, pode ser um diferencial no mercado de trabalho. Com o avanço das aulas, eu pude perceber como eles se esforçam para receber o integrante do exterior, no sentido de implantar uma didática que promova a obtenção de resultados mais eficientes”, contou Geovani.

Para o estudante, outro desafio é conciliar as demandas dos estudos com a demanda do trabalho. “Eu faço estágio no setor de manutenção da área hospitalar e, devido a essa crise sanitária e humanitária pela qual estamos passando, o setor requer muita demanda”. Assim, encaixar os estudos nas atividades do dia a dia, seja escutando áudios ou espalhando “flash cards” no quarto, além de fazer uma planilha com os horários das aulas, tem ajudado Geovani a manter o foco.

Quanto ao futuro, Geovani diz que daqui a cinco anos deseja ser pós-graduado em estruturas de concreto armado, ter a própria empresa de reformas e consultoria e ser professor na área de estruturas.

Compartilhe: